O que Fazer em São Luís – A Cidade dos Azulejos

São Luís é a capital do Maranhão e é porta de entrada de muitos turistas que irão visitar os Lençóis Maranhenses ou realizar a tão incrível Rota das Emoções.

Geralmente as pessoas passam pelo menos 2 dias na capital para conhecer melhor a cidade. De cara eu já recomendo 2 dias inteiros caso você queira conhecer bem a capital. No nosso caso, só ficamos 1 dia e fizemos um City Tour incrível pela cidade. Deu pra ter uma ideia geral da cidade e ainda ficamos com gostinho de voltar outras vezes.

Nosso City Tour iniciou pontualmente às 9 horas. Fizemos tudo com a empresa Ponto a Ponto Tur, que nos levou para um passeio incrível e cheio de histórias por São Luís.

Vocês sabem que nós temos o costume de conhecer as cidades por conta própria e que raramente contratamos empresas de City Tour. Nós gostamos mesmo daqueles ônibus panorâmicos, que não deixa de ser um guia. Mas no caso de cidades com grande valor histórico e cultural, um guia turístico é indispensável. É ele que vai nos contar detalhe por detalhe a história da cidade. Então pra São Luís eu considero obrigatório um guia! Vai por mim…

O City Tour em São Luís foi dividido em 2 partes. Na primeira conhecemos a parte histórica e na segunda conhecemos a parte “nova” da cidade.

O lado histórico de São Luís:

O guia Pedro buscou a gente no hotel e levou até a parte histórica. No caminho já deu um pequeno spoiler sobre algumas coisas. Ele nos deixou com o guia Nelito, um simpático senhor que mais parece uma biblioteca ambulante. Ele sabe muitoooo da história não só de São Luís, mas do Maranhão inteiro. Ele nos explicou detalhadamente sobre cada lugar em que passamos e nem que eu quisesse, conseguiria transmitir tudo o que ele nos ensinou.

Em cada esquina um flash… rsrs

O city tour pela parte histórica é feito todo caminhando, uma caminhada gostosa e sem pressa. É um passeio para apreciar e absorver toda a história da cidade. A primeira pergunta que fiz ao Sr° Nelito foi se a cidade era perigosa, pois li algumas coisas na internet que não me agradaram muito e tive um pouco de receio. Ele me tranquilizou com a seguinte frase: “Você é do Rio? Então não tem perigo.” Ele quis dizer que perigo tem em todo lugar, mas que a violência de São Luís não chega nem perto a de capitais maiores. Disse que eu poderia andar sem medo com câmera e celular e que aquela parte histórica deve ser evitada somente aos sábados a tarde e domingos, que é quando fica bem deserto. Tranquilizada, seguimos o passeio.

Siga-nos no Instagram e acompanhe nossas aventuras pelo Brasil.

A primeira parada foi no no Palácio dos Leões, que é o edifício-sede do governo do estado, de lá temos uma linda vista para o mar de São Luis. Há visitação interna no Palácio, mas não tivemos a oportunidade de conhecer, pois o mesmo não abre as segundas-feiras.

Palácio dos Leões
Criança também gosta de história

Seguimos caminhando até a Igreja da Sé (Catedral de São Luís), que tem uma arquitetura bem diversificada. Há traços barrocos, neoclássicos e modernos. Vale a pena entrar na igreja e conhecer os detalhes (não fotografei por dentro porque vocês já sabem que prefiro só contemplar).

Igreja da Sé

Só a título de informação, o centro histórico possui influências de portugueses, espanhóis, franceses e holandeses e cerca de 4 mil imóveis são tombados pela Unesco.

Como eu falei mais acima, tudo em São Luís é história. Então em cada esquina o guia Nelito contava um fato interessante.

Uma delas é a Rua do Giz, que leva esse nome pela crença de que em algum momento do passado a rua foi coberta por argila branca. A rua é uma das mais importantes do centro histórico. A rua também já foi cenário de várias novelas brasileiras.

Rua do Giz

Um fato curioso sobre a parte histórica é a fiação. Nos lugares onde não se vê fios de iluminação expostos é onde o patrimônio é todo tombado. Onde os fios aparecem, não é considerado patrimônio histórico. A divisão quase exata é na agência dos correios, que foi a primeira da capital.

Aqui começa a parte não tombada da cidade
Correios

Nelito nos levou ao Centro de Produção de Artesanato do Maranhão, mas não com a intenção de fazer a gente comprar, e sim para mostrar os produtos da região, a culinária e toda a história envolvida. Eu particularmente adoro mercados, pois assim entendemos um pouco mais sobre a cultura da região.

Mercado
Não deixe de experimentar o guaraná Jesus

Depois seguimos para a “rota dos azulejos” – nome dado por mim, pois é uma parte em que o azulejo está presente em quase todos os lugares.

Edifício datado de 1756

Os azulejos são de todos os tipos e engana-se quem acha que só os azulejos portugueses que compõem o cenário. Os franceses também marcaram a sua presença através de azulejos super bem trabalhados.

Cidade dos Azulejos
Arte sobre a Arte…

Conhecemos o a Pousada Colonial que é repleta de azulejos e também faz parte do patrimônio histórico de São Luis.

Azulejos bem trabalhados

Visitamos também a Morada das Artes, que é um lugar onde os artistas locais residem e criam suas artes. É como se fosse uma casa-atelier. Vale muito a pena conhecer o lindo trabalho dos artistas. Você pode adquirir as peças também.

Morada das Artes
Artista Eduardo Sereno
Obras de Eduardo Sereno

A parte nova de São Luís:

Depois do banho de história, o guia Pedro (aquele que nos buscou no hotel) levou a gente para conhecer a “parte nova”. Essa parte é composta basicamente pela orla de São Luís, que possui aproximadamente 32km de extensão. O mar de São Luís não tem aquele tom azul e cristalino das outras praias do Nordeste, mas mesmo assim possuem a sua beleza.

Primeiro fizemos uma parada na Igreja Nossa Senhora dos Remédios, que é uma das igrejas católicas mais importantes da cidade. Fica em frente a praça Gonçalves Dias e possui uma vista digna de cartão postal.

Igreja Nossa Senhora dos Remédios
Igreja N.S dos Remédios

Praça Gonçalves Dias
Vista da Igreja

Depois seguimos pela orla e conhecemos a Praia do Calhau, que tem uma boa estrutura de quiosques. Passamos pela Praia Ponta d’Areia, que é a mais próxima do centro e pela Praia de São Marcos, que é repleta de restaurantes.

Os Pescadores – Praia de São Marcos
Ponta d’Areia
O mar não e cristalino, mas não deixa de ser bonito

Finalizamos o passeio com a certeza de que São Luís deve der explorado com mais tempo e calma…

Importante:

  • Não vá a São Luis esperando conhecer uma cidade histórica nos moldes de Minas – você vai se frustrar;
  • Não espere o mar azul Caribe como nas outras praias do Nordeste – você vai se decepcionar;
  • Mas curta São Luis ao máximo, é uma cidade cheia de histórias e de um valor cultural enorme que vale super a pena ser explorada;
  • Evite as segundas feiras, pois os museus não funcionam;
  • E não se esqueça: um guia é fundamental para o sucesso do seu passeio.

Informações sobre o City Tour:

  • Valor: R$70,00 por pessoa
  • Duração: aproximadamente 3h30m
  • O passeio pode ser privado ou coletivo

Veja também: Review Hotel Abbeville São Luis

Reserve aqui seu hotel em São Luis pelo booking. Você não paga nada a mais por isso e ainda contribui para o nosso projeto.

*Agradecemos a empresa Ponto a Ponto Tur pela cortesia do passeio, porém as avaliações são dadas de acordo com a nossa experiência pessoal.

Gostou dessa dica? Insira seu e-mail abaixo e receba novidades em primeira mão.

 

Post Author: vidadeviajete

1 thought on “O que Fazer em São Luís – A Cidade dos Azulejos

    Bárbara Calmeto

    (3 de fevereiro de 2016 - 21:09)

    Adorei o City tour todo explicadinho e claro, já coloquei São Luís na minha lista de desejos de viagens.

Deixe um comentário pra gente!